10 Dicas para saber se a sua Loja virtual está de acordo com os Direitos do consumidor.

Posted on Posted in Digital

Ter o negócio próprio é um sonho, poder começar com baixo investimento é melhor ainda, não é verdade?

A Internet hoje possibilita realizarmos esse sonho, um exemplo é a quantidade de lojas virtuais disponíveis na rede, há várias opções para os mais variados seguimentos. Em geral, essas lojas começaram pequenas, algumas em garagens, outras em um cômodo da casa, mas todas cresceram devido a credibilidade e respeito que e matem com o consumidor e o seu mercado. No entanto, isso não é regra, há empresas que não se encaixam nesse exemplo, mas como o nosso objetivo é ter sucesso de forma ética, precisamos sempre prezar pela qualidade.

Quando falamos em qualidade e ética nos negócios, o cliente está em primeiro lugar, deixá-lo satisfeito é o nosso principal objetivo. Eu observo que, muitas empresas virtuais pecam nesse quesito, em alguns sites que visito, as vezes não encontro a possibilidade de ligar para tirar dúvidas, não há opção de chats, a política de troca nem sempre está visível, enfim, ações básicas que para o cliente é fundamental ter acesso rápido, ainda mais quando o site é de compra de serviços ou produtos.

Pensando nisso, foram listadas algumas dicas para você verificar se a sua loja virtual está de acordo com os direitos do consumidor, caso você esteja começando o seu e-commerce atente aos itens abaixo para começar certo.


loja-virtual-direitos

1. Política de troca: o consumidor tem direito de trocar a mercadoria comprada até 7 dias do recebimento, sem nenhuma justificativa, quando há defeito nas mercadorias o prazo é de 90 dias para produtos duráveis e 30 para os não duráveis.

 

2. Comunicação rápida: o consumidor precisa poder esclarecer suas dúvidas de forma eficiente, o indicado é disponibilizar um contato de telefone, chat, número específico de SAC. Não utilize apenas o e-mail como forma de comunicação com o cliente.

3. Tempo de resposta: é de suma importância que em no máximo 24 horas você retorne para o cliente, mesmo que não seja com a solução imediata, pois a simples ação de você retornar evitará que o consumidor poste comentários em sites de reclamações.  No caso de chats, procure não acumular filas de espera, a ideia do chat é atendimento imediato, logo, se você não puder fazê-lo, repense essa opção.

 

4. Segurança: o consumidor precisa saber que a sua empresa é segura, logo, a sua loja necessita ter um serviço de SSL (Secure Socket Layer), para segurança nas transações online. As lojas que possuem esse serviço contêm em suas páginas de pagamento e cadastro no seu link um “cadeadinho”, indicado que o site é seguro para o cliente informar seus dados.

5. Garantias: sejam elas para devoluções do investimento ou para conserto e troca de mercadorias, procure deixar essa informação acessível, preferencialmente, na página do produto.

6. Acessibilidade: coloque as informações como política de troca, formas de envio, embalagens, opções de contato em um lugar visível da sua página, pode ser no rodapé, no formato de links diretos.

7. Entrega: se responsabilize com a entrega, sempre defina um prazo maior do que o estipulado pelos correios, verifique se o cliente recebeu a mercadoria, caso contrário envie novamente, aproveite e pergunte se ele gostou do produto.

8. CNPJ: o número do seu CNPJ deve estar disponível na sua loja virtual, pois o cliente pode desejar consultar na receita federal se a empresa encontra-se ativa, além desse item ser uma orientação da legislação do e-commerce.

9. Domínio confiável: é necessário investir em um domínio (.com.br) ou (.com), pois esses endereços, transmitem credibilidade para a loja virtual. 

10. Endereço físico: mesmo você atuando na sua residência, o consumidor tem direito de saber o endereço físico do seu estabelecimento, portanto informe-o de maneira visível na página, a dica pode ser utilizar o rodapé.

Essas são algumas dicas principais que sua loja virtual deve disponibilizar para transmitir segurança e credibilidade, tenha em mente que todas ações pensadas em melhorar seus serviços e produtos, visando conforto para os seus consumidores irá fortalecer e consolidar o seu negócio.

Antes de sermos empreendedoras, somos consumidoras ativas!

Leituras Complementares:

Regulamentação do E-commerce lei 7.691/13 

E-commerce Brasil

Dúvidas e sugestões é só comentar!

Por: Tatiana Oliveira

f

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *